4 de jun de 2012

Trate-me por aparência e te digo quem sou através dos meus textos

Àquele que a carapuça servir, que faça bom uso!

Caro leitor:

Na sociedade é claramente perceptível o fato do quanto o ser humano é “preconceituoso”, observando que muitos ainda tratam o seu próximo pela aparência.

Digo isso por experiência própria, pois durante essas últimas semanas eu venho escrevendo vários textos visando possibilitar ao cidadão pimentense acesso a informação que proporcione reflexão e atitude diante dos relatos apresentados.  Infelizmente este objetivo tem sido quase impossível de se alcançar, já que promover mudanças na capacidade de percepção das pessoas para que não se corrompam nesse período eleitoral é um trabalho árduo de conscientização para a transformação de uma prática (quase cultural) corruptiva.

Importa-nos recordar ao leitor cidadão que é justamente nesse período de eleição que o mandato (poder) volta para as mãos do eleitor, o qual escolherá os seus representantes.

Entristeceu-me nesta semana alguns comentários acerca do que tenho escrito, os quais deixaram transparecer que não seria eu o autor dos textos que posto em meu Blog.

Fato infeliz é este de saber que “algumas” pessoas ainda tratam as outras pela aparência.

Para alguns, uma pessoa só é considerada “capacitada” caso venha a ocupar uma posição (status) diferenciada (mais elevada) na sociedade; ou ainda ter um grau de escolaridade avançado e superior, ou pertencer à alta classe, ter carrão, andar sempre bem vestido e possuir uma diversidade da outras características fúteis que a diferenciem das demais pessoas de alguma forma. É essa a realidade!

Esse texto que apresento, contém uma quantidade menor de caracteres, considerando o fato de “algumas” pessoas que tratam as outras pela aparência podem ser adjetivas como preguiçosas, pois como não se proporcionam a oportunidade e a experiência de conhecer a essência das outras pessoas, tampouco se preocuparão em ler e refletir minuciosamente o que agora exponho.

Outro fato significativo e considerável: se eu expuser, em forma de texto, tudo que estou com vontade de dizer,  posso me deixar levar pela emoção e acabar sendo indelicado.

Se eu fosse escrever simplesmente com a emoção e com toda liberdade de expressão, usaria outros tipos de palavras menos cultas, mas é sempre necessário nos recordarmos que: “não façamos ou desejamos ao outro o que não queremos para nós mesmos”. Mas que da vontade de extrapolar é imensa, devo admitir que é.

Aproveito a oportunidade para expressar agradecimentos sinceros, a você leitor e afirmo que sou um simples ser humano imperfeito, mas que tem o dom de escrever como qualquer outro, pois é muito fácil, você só precisa expor o que pensa através de palavras, frases, textos.

Escrever é uma arte! E como toda arte, a prática nos proporciona atingir o limiar da perfeição.

Esclareço que os outros textos escritos anteriormente devem ser considerados como “fáceis”, pois quando abordamos um tema com pleno conhecimento do assunto, a dissertação flui naturalmente.

Um recado àqueles que vivem no universo das aparências tão somente: lamento informar ser lastimável a sua pobreza mental! Mas há esperanças! Atreva-se a sair de sua zona de comodismo, mediocridade e hipocrisia, buscando a essência de tudo e as “coisas do Alto”.

Como você fará isso? Comece com o exercício da boa vontade, muita observação, um pouco de leitura e exercite também a sua capacidade de empatia que certamente está atrofiada!

Lembre-se: Basta querer!

Conselho do dia: Jamais subestime a capacidade do seu próximo em virtude do chinelo sujo que ele usa, por andar a pé, por não ter nível de escolaridade superior, por não ser da alta sociedade.

Você que trata o outro pelas aparências e tem mania de viver devendo a alma para o demônio, pode ser que seu casamento seja do tipo: dormem em quartos separados, mas andam de mãos dadas pelas ruas por medo que a sociedade discrimine. Pobre de ti! Que vidinha aparentemente boa, mas profundamente infeliz.

Quanto a mim, tento fazer a minha parte, pesquisando, informando, socializando, trabalhando a conscientização da população da minha querida cidade onde nasci no dia 30 de Outubro de 1976 e resido até os dias de hoje.

Admito não ser fácil a tarefa de auxiliar as pessoas para que estas sejam esclarecidas e evitem tomar decisões erradas e principalmente não se corrompam, já que o maior prejudicado no processo da corrupção é a parte mais frágil, ou seja, o cidadão corrompido.

Expresso que finalizo este texto com uma vontade imensa de escrever tanta coisa, mas deixarei para outra ocasião. Agradeço a você por ter tirado um tempinho e dedicado à leitura desse singelo texto! Obrigado e até a próxima oportunidade com uma gotícula extra de veneno do  Escorpião.

Há! Eu já estava me esquecendo, você deve estar se perguntando: o que a foto tem haver com o texto?

Deixo por conta da sua interpretação.


Por: Omégeni Ramos

Nenhum comentário:

Postar um comentário