21 de mai de 2012

Joãozinho visita Pimenta Bueno e diz que obras são piadas que precisam ser contadas

Ficção baseada em fatos reais por Omégeni Ramos

Ao visitar o Estado de Rondônia, o famoso e conhecidíssimo por suas piadas, Joãozinho, resolveu conhecer o município de Pimenta Bueno localizado a cerca de 500 quilômetros da Capital Porto Velho.

Na imaginação de Joãozinho, Pimenta Bueno era uma cidade com uma diversidade de pontos turísticos (arqueológicos, ufológicos, ecológicos, de entretenimento, dentre outros) por algumas informações que ele possuía até então, tais como:

A existência de dois “fósseis” de dinossauros (possibilidade de prática de turismo arqueológico);

Duas supostas áreas exclusivas para pousos de O.V.I.N.I.s (Objetos Voadores Não Identificados), mais conhecidas como “aeroporto de discos voadores” (indicadas para prática de turismo ufológico);

A cidade, conforme informações que Joãozinho possuía, contava com a presença de “dois elefantes brancos”, raríssimos, não encontrados sequer nos safaris da África, mas que aqui conviviam em meio a população; não em plena harmonia (risos), conviviam, o que possibilitava a prática do turismo ecológico tão amplamente difundido a nível mundial;

Duas “mega” mesas de sinucas (turismo para fins de entretenimento).

Ao chegar a Pimenta Bueno Joãozinho se impressionou com a receptividade da população na rodoviária e do guia de turismo que o esperava.

Conversa vai, conversa vem e Joãozinho pediu para o guia de turismo leva-lo aos pontos turísticos dos quais tanto tinha ouvido falar, travando-se a partir daí um diálogo entre eles:

O guia de turismo olha pra Joãozinho e diz:
- Creio que você esteja se referindo as obras dos dois viadutos que demoraram mais de seis anos para serem concluídas.

Joãozinho questiona:

- Viadutos? (O garoto questiona, com certo tom de espanto em sua fala, pois acreditava, até então que conheceria um fantástico e extraordinário ponto turístico).

E o guia de turismo informa:

- Não deixa de ser um ponto turístico, pois em virtude da construção dessa obra nosso município ficou conhecido nacionalmente como “a cidade dos dois dinossauros”, do “aeroporto de disco voador”, das “mesas de sinucas gigantescas” e outros apelidos mais “ecologicamente corretos”, como por exemplo, “elefantes brancos”.

Joãozinho exclama, abismado:

- Uau! Até parece piada! Aliás, consegue ser mais hilária que as minhas. E cá pra nós: é fato de que ela será contada e recontada várias vezes neste ano de 2012, principalmente no período eleitoral.

Curioso, como sempre, Joãozinho questiona:

- Qual o valor do gasto nessa obra dos viadutos?

Guia de turismo: - Mais de R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais).

Joãozinho abre o riso e diz:

- Seria trágico se não fosse cômico! Partindo da realidade isolada dos viadutos, será que essa realidade da má aplicação de recursos públicos se expande para outros investimentos públicos municipais? Será possível nos depararmos com mais “piadas” similares a esta?

Guia de turismo: - Joãozinho, não é possível afirmar a existência de tais “piadas”, mas um fato é certo: em Pimenta Bueno são supostamente investidos milhões e milhões de reais em obras, as quais tem o tempo de conclusão extrapolado (quando são efetivamente concluídas), ou até mesmo necessitam da liberação de créditos adicionais para que sejam restauradas (reparadas) antes mesmo de sua utilização.

Continuando sua explanação, o guia de turismo acrescenta:

- Um exemplo prático e clássico é a obra do que deveria ser considerado o “Teatro Municipal”, o qual, na ocasião de sua inauguração sequer contava com os assentos previstos no projeto. Ainda assim foi inaugurado e utilizado como fator de marketing positivo para município; no entanto, até a presente data o mesmo não foi utilizado e já teve que passar por reparos na estrutura.

Para concluir, o guia de turismo acrescenta:

- Na obra do suposto “Teatro Municipal”, há registros de que foram gastos aproximadamente um R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) ou mais.

Continuando o passeio pela cidade de Pimenta Bueno, Joãozinho, em tom menos divertido e mais sarcástico afirma:

- Gostei da conta! (risos do Joãozinho). Mostre-me mais ”piadas”, digo, “obras”, pois aqui me parece que poderemos apreciar um considerável quantitativo delas!

Na oportunidade, o guia de turismo, ao avistar o Bairro Triângulo Verde, mostra a Joãozinho, dizendo:

- Neste momento estamos no bairro Triangulo Verde, mais conhecido como “Mutirão”, exatamente aqui onde estamos existia uma placa que continha os dizeres: “Pavimentação em blocos intertravados de concreto nos Bairros Triângulo Verde e Nova Pimenta”. Ainda era possível visualizar a informação sobre o valor do investimento na obra, o qual ultrapassava R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais).

Joãozinho, neste momento tem a sua curiosidade ainda mais atiçada, e o que deveria ser um passeio turístico parece mais uma “caça ao tesouro às avessas” e empolgado, pede ao guia de turismo:

- Vamos então visitar as ruas do bairro Nova Pimenta com os bloquetes!

Com um risinho fraco, amarelo e frustrado, o guia de turismo lamenta e informa a Joãozinho que no bairro Nova Pimenta não há sequer meio quarteirão com bloquetes.

Joãozinho, agora confuso, pergunta ao guia de turismo:

- Uai?! A obra dos bloquetes deveria abranger os bairros Triangulo Verde e Nova Pimenta, certo? E o que houve para que o bairro Nova Pimenta não fosse beneficiado conforme previsto no projeto?

Sentindo um relativo constrangimento, enquanto cidadão pimentense, o guia de turismo diz a Joãozinho:

- Isso eram os dizeres da placa. Sinceramente eu não sei te informar o que aconteceu. Já cheguei a pensar inclusive que as informações contidas na placa eram incorretas, afinal, como você já pode observar, para a infelicidade do cidadão pimentense: aqui tudo pode acontecer! E seguindo a teoria do caos: “Nada é tão ruim que não possa piorar”.

Neste momento Joãozinho não controla seus pensamentos e solta uma gargalhada, comentando em seguida:

- “Cê” sabe que estou adorando essas “piadas”! De fato são bem melhores que as minhas! O cotidiano do cidadão pimentense realmente faz jus a frase que já disse e repito: “Seria trágico se não fosse cômico”.

Enquanto conversavam, continuavam o seu percurso e já do outro lado da cidade, no Bairro Jardim das Oliveiras o guia de turismo segue informando a Joãozinho sobre aquele bairro. Afirmou, apontando para um local onde praticamente não há nada construindo, que ali deveria existir um “Centro de Lazer”, e que apesar da “invisibilidade” da obra, ali já haviam sido gastos mais de R$ 250.000,00 (duzentos e cinquenta mil reais).

Joãozinho, pasmo e incrédulo afirma:
- Se a população pimentense vir conferir esta obra perceberá claramente o que foi feito, ou seja, quase nada para ser considerado como obra e tampouco exigiria o gasto que afirmam ter ocorrido para esta execução. Mais uma piada caprichada!

Joãozinho, ainda gargalhando, prossegue dialogando com o guia de turismo, enquanto prosseguem o percurso, atento a cada informação acrescentada:
- Agora estamos diante da obra de um dos quatro barracões que seriam construídos para instalação dos feirantes; mas até a presente data este foi o único construído, no qual foram gastos R$ 260.000,00 (duzentos e sessenta mil reais). Hoje esta instalação é utilizada como garagem para máquinas e equipamentos da Secretaria de Obras.

Joãozinho, com seu riso solto e cínico analisa e afirma ser muito investimento para praticamente finalidade alguma e ainda acrescenta:

- De barracão para feirantes transformou-se em depósito e garagem! É mais uma “piada” e muito boa.

Percorrendo ruas e avenidas de Pimenta Bueno, Joãozinho e o atencioso guia de turismo pimentense avistam um novo bairro. O guia de turismo informa a Joãozinho:

- Contemplamos agora uma obra de asfalto sendo executada! São mais de 1.300 metros de obra, cuja execução está sendo somente em alguns trechos de ruas e avenidas do bairro Vila Nova. Essa obra deveria ter sido finalizada no mês de novembro do ano de 2009 e o custo seria de R$: 800.000,00 (oitocentos mil reais), no entanto já estamos no ano de 2012, e seu valor estimado ultrapassa R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais).

Joãozinho, com o seu sutil, mas às vezes, “ácido” humor diz:

- É uma piada atrás da outra! Será que é somente coincidência o fato dessa obra esta sendo executada somente agora, considerando que estamos em ano de eleições municipais? Afinal, deveria ter sido finalizada em 2009! Coincidências existem, mas está há de se duvidar!

Continuando o percurso turístico, o guia de turismo avisa a Joãozinho que estão passando em frente à obra da “Capela”, a qual foi construída há quase dois anos, sendo gastos quase R$ 300.000,00 (trezentos mil reais) e até agora não foi inaugurada.

Joãozinho então diz:

- Fala sério! Deve existir uma boa explicação para isso, como por exemplo, a falta de defunto!

O guia de turismo pimentense então afirma a Joãozinho:

- Você não viu e nem ouviu nada ainda! São muitos fatos a serem contados que acontecem nesta cidade de Pimenta Bueno. Recentes boatos afirmam que algumas “mentes pensadoras” querem usar uma pimenta (condimento) em um monumento, estátua ou algo similar, para ser usado como símbolo que represente a nossa cidade.

Mas essa cidade também tem empreendimentos que muito nos orgulham – afirma o guia de turismo -. Informando que:

- Hoje a cidade de Pimenta Bueno é conhecida, inclusive a nível internacional, por ter uma empresa montadora e fabricante de bicicletas; também por ocasião da existência de um Pólo de Indústrias de Confecções; o Pólo Cerâmico que sempre movimentou a economia local vem se especializando cada vez mais; o setor da Pecuária em pleno desenvolvimento; o artesanato local; a distribuidora de água mineral; bem como a piscicultura com laboratório de alta tecnologia; setor metalúrgico em plena expansão e dentre outros ramos que elevam o nível de reconhecimento do nome da nossa cidade e o fazem despontar positivamente nos diversos cenários da sociedade.

Joãozinho então exclama:

- Nossa! Ainda bem que me contou sobre esses empreendimentos maravilhosos, pois se dependesse das obras públicas relatadas, eu já estava ficando envergonhado, afinal minhas piadas tornaram-se “sem graça”, quase “histórias de velório” perto delas. E eu que achava que as minhas piadas eram as melhores!

- Está percebendo Joãozinho, que ainda diante de tanta circunstância desastrosa, principalmente no que se refere ao desenvolvimento de um município é possível se surpreender? Afinal, os gestores e fiscalizadores dos recursos públicos podem até não cumprir seu devido papel, mas aqueles que acreditam no nosso município continuam a investir e a auxiliar no desenvolvimento local. Dizem que: “Uma andorinha só não faz verão”, mas com duas ou mais reunidas o céu fica mais belo! – Afirma o guia de turismo.

Finalizado o passeio turístico, o guia de turismo e Joãozinho se despediram. Na oportunidade o guia de turismo fez o convite para que Joãozinho retorne mais vezes ao município de Pimenta Bueno, pois muitas outras piadas ainda precisam ser contadas.

Omégeni Ramos (personagem: Guia de turismo)

Um comentário:

  1. Uma matéria um tanto quanto curiosa, e em breve será utilizada alguns pontos obrigado.

    ResponderExcluir